Skip to main content

Glicose no Sangue

Glicose_no_Sangue

A glicose no sangue vem dos carboidratos que você ingere na alimentação. Isso inclui o açúcar e alimentos com amido, como pão, massas e arroz. Quando você come, os carboidratos passam do seu estômago para o intestino delgado e, então, são fragmentados em glicose. Parte dessa glicose é convertida pelo seu corpo em glicogênio, que se armazena no fígado e nos músculos. A substância que sobra viaja pela corrente sanguínea para fornecer combustível para as células e órgãos do corpo. Quando você usa o medidor de glicose para fazer a automonitorização, é a parte que está na corrente sanguínea que aponta o nível de glicemia do seu sangue.

Seu cérebro e suas células precisam da energia que vem da glicose para que seu corpo funcione. Por isso, é importante que o seu nível de glicemia esteja dentro de uma faixa saudável.

Os carboidratos da sua alimentação são usados para alimentar as células e seu corpo todo durante a refeição e nas próximas duas ou três horas. Se eles forem totalmente utilizados, seu nível de glicemia começa a cair. Nesse momento, seu fígado transforma o glicogênio que estava guardado em glicose, para mandar para a circulação sanguínea. Se você estiver sem comer por um longo tempo e o armazenamento de glicogênio esgotar, seu corpo começa a transformar a gordura e a proteína que estão armazenadas no seu corpo em glicose. Este processo é chamado de "neoglicogênese".

A glicose presente no sangue é adquirida de três maneiras:

  1. Por meio dos carboidratos que você come. Essa é a principal fonte de glicose na circulação sanguínea.
  2. Parte da glicose que vem dos carboidratos que você come é transformada em glicogênio, que fica armazenado no fígado. Quando o nível de glicose do seu corpo baixa muito, seu fígado converte o glicogênio outra vez em glicose para que possa ir para a corrente sanguínea.
  3. Quando há ingestão de carboidratos e o armazenamento de glicogênio acaba, o nível de glicemia baixa. Seu corpo, então, converte gordura e proteína em glicose, em um processo chamado “neoglicogênese".

Revisado em: Nov/2016. 059528-160905