Skip to main content
Diabetes_Hipoglicemia_e_Hiperglicemia_Entenda

Diabetes, Hipoglicemia e Hiperglicemia, Entenda!

Esta matéria traz para você informações essenciais sobre o que é o diabetes. Quem nos ajudou nessa tarefa foi a Dra. Andrea Glezer, clínica geral e endocrinologista, doutora em endocrinologia, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e colaboradora da Liga de Controle ao Diabetes Mellitus da Faculdade de Medicina da USP. Acompanhe a entrevista e entenda um pouco mais sobre o diabetes. Boa leitura!

Quais são os sintomas do diabetes?

  • Os sintomas são perda de peso, aumento da sede, turvação visual, formigamento nas mãos ou pés e infecções frequentes. Nos pacientes com diabetes tipo 2, os sintomas podem demorar anos para se manifestar, portanto, o diagnóstico não pode depender do aparecimento deles. Nos pacientes de risco, é essencial fazer exames periódicos.

Quem pode ter diabetes?

  • As pessoas que apresentam alguma das características abaixo correm maior risco de desenvolver o diabetes mellitus tipo 2:
    • Mais de 45 anos;
    • Sobrepeso, ou seja, índice de massa corpórea (IMC*) maior que 25;
    • Sedentarismo;
    • Parentesco de primeiro grau com pessoas que têm diabetes;
    • Hipertensão;
    • Apresentação da fração protetora do colesterol ou HDL baixo e taxa de triglicérides alta;
    • Síndrome de ovários policísticos;
    • Mães que tiveram recém-nascidos com mais de 4 kg ou que tiveram diabetes gestacional;
    • Ser portador de pré-diabetes; e/ou
    • Possuir histórico de doença cardíaca ou de isquemia cerebral.

* O IMC é calculado dividindo o peso (kg) pela altura (m) ao quadrado: Peso ÷ Altura²

O que é a hipoglicemia? Quais seus riscos?

  • A hipoglicemia é caracterizada por uma taxa de açúcar no plasma ou no sangue menor que 70 mg/dL. É uma complicação frequente nos indivíduos que usam insulina no tratamento do diabetes tipo 1 ou tipo 2. Os principais sintomas são fome, sudorese, tremor e palpitações. Se a hipoglicemia não for identificada e tratada, pode causar alterações de consciência, como confusão mental e até mesmo coma.

O que é a hiperglicemia? Quais seus riscos?

  • A hiperglicemia é caracterizada por uma taxa de açúcar no plasma, ou no sangue, maior que 100 mg/dL em jejum (o índice normal é menor que isso). Se ela não for controlada adequadamente, pode causar diversas complicações crônicas, em que os sintomas aparecem tardiamente. Por isso, o monitoramento da glicemia e os exames periódicos são fundamentais. O objetivo de quem faz tratamento para a hiperglicemia (exceto crianças, gestantes e indivíduos que não apresentarem sintomas na hipoglicemia) é manter as taxas de glicose entre 70 mg/dL e 120 mg/dL em jejum e entre 90 mg/dL e 140 mg/dL duas horas após uma refeição. Essa meta é individualizada e deve ser estabelecida pelo médico-assistente. 

Qual o segredo para ter um bom controle glicêmico?

  • Para ter um bom controle glicêmico, o tratamento medicamentoso adequado é fundamental, assim como o planejamento alimentar, a prática de exercícios regulares e a adequação do tratamento de acordo com os resultados do monitoramento da glicemia e dos exames periódicos.

Quais mudanças no estilo de vida devem ser adotadas por quem tem diabetes?

  • Além do tratamento medicamentoso adequado, quem tem diabetes precisa mudar diversos hábitos de vida para que tenha uma qualidade de vida mais saudável. Veja alguns exemplos: ter uma alimentação com a quantidade de calorias adequada, rica em fibras e pobre em gordura; fazer exercícios físicos regulares, sempre após orientação médica; ingerir pouco álcool; quem fuma deve interromper totalmente o hábito; e controlar o estresse.

Quais profissionais da saúde devem ser procurados por uma pessoa com diabetes?

  • O ideal é que o paciente seja atendido por uma equipe multidisciplinar, integrada por médicos endocrinologistas, enfermeiros, nutricionistas, educadores físicos e psicólogos, com experiência em diabetes. 

Revisado em: Nov/2016. 059528-160905